12 févr. 2018

L’exode des Vénézuéliens inquiète les pays voisins

boavista L’afflux massif de migrants vénézuéliens est source de fortes tensions au Brésil et en Colombie. Face à  la profonde crise politique, économique et sociale qui frappe leur pays dep...
Source : http://ift.tt/2Brh8Jd

9 févr. 2018

Nouveau: n°20 en vente le 9 février 2018 en France hexagonale

Le magazine Une saison en Guyane n°20 est en vente  en France hexagonale et bientôt en Guyane, Martinique, Guadeloupe, Polynésie, Nouvelle-Calédonie et la Réunion. 136 pages. 9,50 €

 sommaire_USG20


Située dans les méandres de l’embouchure de l’Amazone, Belém se dresse au dessus des eaux brunes et saumâtres de la baie de Guajará, comme une porte mythique vers un continent de forêt. Depuis la grande révolte de la Cabanagem (que nous évoquons en p.18), la ville ressemble à un avant-poste entre deux mondes, celui des Brésiliens urbains, et celui des caboclos, les véritables habitants de l’Amazonie. C’est aussi l’une des villes les plus peuplées de la région, qui, malgré ses difficultés économiques, connaît une vie culturelle passionnante. Avec l’aide de l’Alliance française de Belém, nous avons réalisé quelques reportages qui témoignent de ce foisonnement : sa culture techno singulière (p40), une communauté japonaise méconnue en Guyane (p.25), l’économie de l’açaï (p32), ou encore la découverte d’un improbable récif corallien (p 58). Nous irons aussi dans ce numéro parcourir les saveurs des fruits et de nombreux produits locaux made in Guyane (p 66), et nous ferons un grand bond dans le passé pour découvrir la mégafaune des Guyanes, des animaux géants et étranges qui peuplaient jadis notre territoire (p.78). N’oublions pas un débat avec différents intervenants autour du projet minier Montagne d’or, dont l’enquête public se déroule en ce moment (p12)

Les rendez-vous photo:

Portfolio Devant le chinois par Ronan Liétar

Portfolio St Rose de Lima par  Julien Rougny

Portfolio Black Dolls Project par Mirtho Linguet

Portfolio la Dernière Lune par Karen Paulina Biswell

Portfolio Fotoativa à Belém

Bientôt disponible :

Cherchez un point de vente près de chez vous avec l’outil de géolocalisation (à partir du 12 février)

 Achetez le n°20 sur notre application AppleStore  (à partir du 12 février)

 Achetez le n°20 sur notre application sur Google play (hors Outremer  (à partir du 12 février)

Achetez le n°20 sur LeKiosk (à partir du 12 février)

 

Source : http://ift.tt/13kAc7S

1 févr. 2018

Cooperação técnica fortalece piscicultura em Pedra Branca

DA REDAÇÃO

O município de Pedra Branca do Amapari, distante 183 quilômetros de Macapá, receberá um reforço no desenvolvimento da piscicultura. Esse é o objetivo do termo de cooperação técnica firmado na última terça-feira (30) entre o executivo estadual e a prefeitura do município.

A ação está sendo desenvolvida pela Agência de Pesca do Amapá (Pescap), que fornecerá suporte técnico e orientações aos piscicultores. A prefeitura disponibilizará apoio logístico, como a ração às espécies de peixes.

“Essa cooperação vai gerar uma nova fonte de renda e mudar o olhar que se tem em relação ao município que, hoje, é visto somente como um produtor mineral”, analisou a prefeita de Pedra Branca, Beth Pelaes.

Prefeita Beth Pelaes assina o termo junto com o presidente da Pescap, Edson França (esquerda) e o deputado Marcos Reategui (direita). Foto: Ailton Leite (Secom)

Com mais de 140 tanques, o município de Pedra Branca do Amaparí desponta com um importante polo piscicultor do Amapá. Atualmente, as espécies criadas pelos produtores são tambaquis e pirapitingas.

De acordo com o diretor-presidente da Pescap, Edson França, outros municípios também deverão firmar cooperação técnica com o Estado para o desenvolvimento da piscicultura, como Serra do Navio, Tartarugalzinho, Laranjal do Jari. 

Presente na assinatura da cooperação, o deputado federal Marcos Reátegui (PSD), ressaltou que a iniciativa vai refletir na geração de emprego, renda e tributos para o Estado.

Foto de capa: arquivo

Source : selesnafes.com

26 janv. 2018

Lula interdit de sortie du Brésil

lula Un juge fédéral a interdit à l’ancien chef de l'Etat de quitter le pays, au lendemain de sa condamnation en appel à 12 ans de prison. C’est un nouveau coup dur pour Lula, juste apr...
Source : http://ift.tt/2EbAOjM

18 janv. 2018

Bandidos criam grupo “fake” de Whatsapp da PM do Amapá

OLHO DE BOTO

Criminosos criaram um grupo falso no aplicativo de mensagens Whatsapp dizendo ser da Polícia Militar do Amapá (PM-AP). A PM alerta que a população não entre no grupo, que na verdade está sendo utilizado para divulgar informações falsas, obter informações pessoais e até mesmo para bandidos se passarem por policiais.

Números de celulares de outros estados no grupo fake. Imagens: Olho de Boto

No topo do grupo, é possível notar que comunidade foi criada por usuário do DDD 77, do estado da Bahia

Segundo levantamento da Diretoria de Comunicação da PM, há muitos números de outros estados, como São Paulo e Brasília, o que leva a crer que criminosos de fora do Amapá podem estar agindo em cooperação com grupos locais. 

“Queremos orientar a população que se você for adicionado a esse grupo que saia imediatamente, você corre risco de estar expondo a sua vida e informações suas para essas pessoas”, ressaltou o capitão Alex Sandro.

Capitão Alex Sandro: “população pode ser vítima de golpes no falso grupo da PM. Foto: Olho de Boto

O policial destacou ainda que a Polícia Militar não possui qualquer grupo aberto de Whatsapp com a população. Os únicos grupos utilizados pela instituição são em cooperação com os profissionais de imprensa.

“Temos grupos com os profissionais da imprensa que é pra lidar com esses profissionais pela Diretoria de Comunicação. Ali não há informações que vão comprometer o trabalho da polícia, só passamos as informações de casos depois que eles realmente acontecem e que vão subsidiar o trabalho da informação para a imprensa”, destacou.

O capitão informou ainda que o caso foi encaminhado para a Secretaria de Segurança Pública do Estado, que realizará investigação para identificar os responsáveis pelo grupo.

 

Source : selesnafes.com

12 janv. 2018

CEA, Vivo e Banco do Brasil lideram ranking de reclamações no Procon do AP

SELES NAFES

O Procon do Amapá divulgou a lista das 10 empresas que mais geraram reclamações em 2017. A CEA, bancos e operadoras de telefonia móvel lideram o ranking. Contudo, há empresas que não têm colaborado muito com a solução dos problemas apresentados por consumidores.

Foram 7,6 mil atendimentos. Os três primeiros lugares são de prestadoras de serviços. A primeira colocada, a CEA,  teve 977 reclamações, correspondendo a 11,58% do total, a maioria de consumidores que não concordaram com os valores cobrados nas faturas.

Em segundo lugar aparece a Vivo, com 768 atendimentos, correspondendo a 9,5% do total, e em terceiro a Telemar (Oi), com 396 ocorrências, o equivalente a 4,72%.

Veja o ranking completo.

1º COMPANHIA DE ELETRICIDADE DO AMAPÁ

2º VIVO S/A

3º TELEMAR NORTE LESTE S/A

4º DOMESTILAR LTDA – 268 atendimentos – 3,19%

5º SKY BRASIL SERVIÇOS LTDA – 234 atendimentos – 2,79%

6º BANCO DO BRASIL S/A – 232 atendimentos – 2,76%

7º CAIXA ECONÔMICA FEDERAL – 189 atendimentos – 2,25%

8º TIM CELULAR S/A – 177 atendimentos – 2,11%

9º CLARO S/A – 152 atendimentos – 1,81

10° BANCO BMG S/A – 142 atendimentos – 1,69%

Eliton Franco, diretor do Procon do Amapá: algumas empresas ajudam a solucionar o conflito. Foto: Seles Nafes

Mas o Procon também avaliou as empresas que mais ajudaram a contribuir com a solução dos problemas. A Domestilar, a maior rede de lojas do Amapá, aparece em quarto lugar na lista de reclamações porque vende multimarcas. A empresa tem contribuído na intermediação com fabricantes. 

“Ou seja, e quando um produto apresenta defeito e o fabricante não quer se responsabilizar, a loja é responsabilizada de forma solidária”, explica o diretor do Procon, Eliton Franco.

Banco do Brasil lidera entre os bancos. Foto: Arquivo/SN

Por outro lado, o BMG ajudou a solucionar apenas 19% das reclamações contra ele. A CEA é citada como exemplo positivo, apesar de liderar as reclamações. A estatal colaborou em mais de 64% das reclamações logo após o contato por telefone dos atendentes do Procon.

“Também firmamos no ano passado um termo de cooperação com a CEA, que hoje atende dentro do Procon sob a nossa supervisão, e isso dá vazão a muitas reclamações”, comenta o diretor do Procon, Eliton Franco.

Quando a empresa não demonstra interesse em colaborar, o consumidor já sai do Procon com a audiência na Justiça marcada.

 

Source : selesnafes.com
View My Stats